Quais são os principais riscos de negócio para PMEs?

Negócios
risco de negócio

Empreender, sem dúvida, é desafiador e envolve inúmeros desafios e riscos de negócio para as PMEs. Contudo, com um bom planejamento e uso de soluções adequadas, fica bem mais fácil lidar com imprevistos.

Por exemplo, a inadimplência é um dos principais riscos para pequenas empresas, mas com estratégias acertadas, você consegue reduzir isso. Pensando nisso, preparamos esse artigo sobre os principais riscos de negócio para as PMEs e explicaremos como minimizá-los, para que o seu negócio esteja preparado, se resguardando desses possíveis problemas.

Quer saber mais? Então, continue a leitura e veja as nossas dicas sobre o assunto!

Cadastre-se de graça e conheça as soluções da Serasa Experian para evitar riscos na sua empresa

Riscos de negócio para PMEs

Independentemente do porte ou segmento, toda companhia precisa lidar com uma série de riscos de negócio. A diferença é que as grandes corporações contam com equipes voltadas para o gerenciamento de riscos, já os pequenos empresários, muitas vezes, deixam esse fator de lado.

A atitude pode se tornar um grande problema. É importante entender quais são os desafios e riscos da empresa e adotar medidas para eliminá-los ou reduzi-los. Para ajudar, a seguir, vamos falar sobre alguns deles.

Risco financeiro

A ameaça financeira, certamente, é uma das mais preocupantes para as PMEs. Isso é válido tanto para quem empreende sozinho quanto para quem pretende abrir uma empresa com sócio.

Uma das recomendações para reduzir esse risco e alcançar o equilíbrio financeiro é manter as contas pessoais e as corporativas separadas. Essa diferenciação é significativa para organizar as finanças e arcar com todas as despesas, entender os gastos e lucros da empresa e adotar estratégias acertadas.

Outra dica é acompanhar o fluxo de caixa com atenção, o que pode ser feito com planilhas ou softwares específicos. Se as saídas são maiores que as entradas de recursos, isso resultará em um desequilíbrio nas finanças e pode comprometer o pagamento de funcionários, fornecedores, etc. Ao identificar essa situação, o gestor deve tomar atitudes rápidas para resolvê-la, como corte de despesas e a avaliação da necessidade de empréstimo.

Risco de crédito

Esse também é um problema para muitas companhias e vale lembrar que em cenários econômicos desafiadores como o atual a situação tende a aumentar.

A inadimplência pode atingir tanto negócios que tenham clientes pessoas físicas quanto jurídicas e gera um desequilíbrio no fluxo de caixa, afinal, a empresa estava contando com essa entrada. Além de ter um capital de giro para arcar com as despesas e com imprevistos como esse, para realizar vendas mais seguras, é imprescindível fazer uma análise de risco antes de oferecer crédito.

O procedimento consiste em avaliar a ficha cadastral, a existência de dívidas anteriores e o perfil do cliente para identificar a capacidade financeira dele e aplicar a forma de pagamento mais alinhada.

Risco de mercado

É importante analisar e acompanhar as movimentações do mercado para adaptar o negócio às necessidades atuais e não ser pego de surpresa diante de mudanças que podem impactar a companhia, como alterações na taxa de câmbio ou de juros, preços de insumos, etc.

Sendo assim, é necessário montar um plano para identificar o risco, avaliar cenários e definir como lidar com a situação. Uma alta no dólar, por exemplo, pode se tornar um desafio para PMEs que compram produtos ou insumos no exterior. Nesse caso, será preciso avaliar como adequar o negócio para que isso não afete a margem de lucro — pode ser possível encontrar fornecedores nacionais, fazer acordos a curto prazo, entre outras medidas.

Risco nas operações

Os riscos nas operações são diversos: podem ocorrer atrasos de fornecedores e problemas com estoque, defeito em máquinas, falhas na logística, problemas com a equipe, entre outros. Todos esses exemplos influenciam a produtividade e os resultados da empresa.

Diante disso, é fundamental dar atenção a esses pontos para mitigar os riscos com controles rígidos, processos internos eficientes, treinamento de equipe, escolha de ferramentas adequadas, entre outras ações.

Para não sofrer tanto com essas situações, a empresa deve aplicar um sistema para gerenciamento de riscos para avaliá-los, classificá-los e levantar dados atualizados que ajudem a definir a melhor a solução. Você pode fazer isso internamente ou com apoio de fornecedores especializados.

Como minimizar o risco financeiro e de crédito

O fator financeiro, especialmente, a inadimplência de clientes, pode tirar o sono de muitos empresários e gestores. Não é para menos, pois tal fato compromete toda a saúde financeira do negócio. Contudo, é possível adotar medidas para evitar a situação. Veja, abaixo, algumas dicas!

Consulta de CNPJ e CPF de clientes

Um passo primordial para reduzir riscos de negócio é investir em análise de crédito, e uma das ferramentas para isso é a consulta ao CPF ou CNPJ de clientes. Ao aplicar esse procedimento antes de toda a venda, você descobre se o cliente tem dívidas vencidas, pode avaliar o risco da transação e definir a forma de pagamento mais adequada para reduzir as chances de inadimplência.

A consulta é feita em um órgão de proteção ao crédito, apresentando o número do documento do cliente. Para fazer a busca com a Serasa Experian, por exemplo, basta acessar o site, preencher o cadastro com os dados da sua empresa e informar os documentos para a consulta. O processo é rápido e tem bom custo-benefício, já que você pode contratar crédito de acordo com as necessidades do negócio.

Monitoramento de CNPJ ou CPF de clientes

Outra estratégia é monitorar a sua carteira de clientes, assim, você não precisa fazer pesquisas frequentes e recebe avisos caso haja alguma alteração nos dados. A medida é significativa para acompanhar CNPJ ou CPF e evitar fraudes e problemas com o pagamento.

Monitoramento do seu CNPJ

Além de analisar o documento de seus clientes, mais uma atitude que ajuda a proteger o negócio é verificar o seu CNPJ. Você pode fazer uma consulta na Serasa Experian para identificar se há dívidas anteriores e qual o seu score. Outra dica é monitorar o seu CNPJ para resolver imprevistos relacionados a ele com mais agilidade.

Cuidar do CNPJ da empresa e ter uma boa reputação financeira no mercado, com um score alto, é uma medida essencial para firmar parcerias, realizar bons negócios e solicitar crédito com melhores condições de pagamentos.

Sabemos que a rotina de um pequeno empresário pode ser bastante tumultuada com inúmeras atividades e imprevistos para lidar, certo? Diante disso, pode acontecer de alguma conta não ser paga e gerar possíveis problemas para a sua empresa.

Ao fazer o monitoramento de CNPJ, você recebe avisos, por e-mail ou SMS, e em caso de pré-negativação pode resolver a pendência antes a dívida fique pública de fato. Além disso, a estratégia é positiva para evitar transtornos por fraude — se alguém utilizar o seu CNPJ indevidamente, você conseguirá tomar atitudes mais rápidas para resolver a situação.

Adotar uma postura preventiva contribui muito para o sucesso de uma empresa. Ao entender os riscos de negócio para PMEs e estabelecer um plano de ação, é possível aplicar as ferramentas certas para eliminá-los ou minimizá-los. Como vimos, uma das soluções para isso é a análise do CPF ou CNPJ de seus clientes, que pode ser feita com o auxílio da plataforma Serasa Experian para otimizar o processo e facilitar a rotina empresarial.

Gostou das dicas? Quer saber mais sobre como as soluções da Serasa Experian podem ajudar o seu negócio? Então, entre em contato e converse com os nossos especialistas!

Publicada em 27/04/2021 - Fonte: Serasa Experian
Gostou desse conteúdo?
Compartilhe: