Produto com valor agregado: entenda o que é e aplique agora mesmo

Gestão
produto com valor agregado

Quando um empreendedor contribui para a idealização de um produto ou serviço, ele pode pensar em dezenas de fatores que podem influenciar aquele produto. Mas uma coisa é certa: não é possível pensar apenas no produto como um conceito fechado em si: mas em tudo que o rodeia. Daí o conceito de produto com valor agregado.

Em linhas gerais, podemos entender o valor agregado como um benefício que extrapola a necessidade básica do cliente, que vai além daquilo que o usuário julgou como necessidade quando procurou pelo serviço ou produto. Fácil de perceber, não?  

Para entender o valor agregado basta pensar em elementos presentes no produto, no processo de produção e também em sua venda. Esses elementos aumentam a percepção do cliente sobre sua necessidade e o deixa mais satisfeito do que ele achava que ficaria com a aquisição de determinado produto no primeiro momento.

Assim, um produto ou serviço de sucesso, com o valor agregado, é aquele que faz com que seu cliente esteja disposto a pagar um preço maior até do que o preço do seu concorrente. Interessante, não é? Então acompanhe este artigo para aumentar o valor agregado dos seus produtos.

Entendendo melhor o valor agregado

Um produto ou serviço pode ter outros dois tipos de valores, mais próximos do senso comum, mas também corretos: o valor em si mesmo e o valor percebido. O primeiro é medido pelo moeda do sistema financeiro corrente. Quanto melhor a qualidade do produto, mais caro ele será. Já o segundo diz respeito ao custo-benefício que o usuário atribui ao produto ou serviço. Para um cliente, há sempre uma busca, até meio inconsciente, entre preço e benefícios.

Nesse contexto, voltemos a pensar no valor agregado. Ficou mais fácil, né? Ele seria tudo que esses dois não abarca: o cuidado no atendimento, a relação com o cliente no pós-venda, experiência do cliente ao usar o serviço ou produto.

Um bom exemplo seria um estabelecimento como um café. Uma pessoa pode comprar um cookie e um café no mercado, semi-prontos, preparar em casa e consumir com outras pessoas próximas. Mas esses produtos consumidos na próxima cozinha não teriam a vantagem de um bom café: estar próximo ao cinema, ter uma música ambiente agradável, ser bem atendido, ganhar brindes… Esse é o valor agregado.

Aumentando o valor agregado

Se você quer aumentar o valor agregado do seu serviço ou produto, há uma série de medidas que podem ser tomadas e pontos para se prestar mais atenção. Não podemos esquecer que estamos falando em um tipo de investimento, então todo cuidado é pouco. Vamos a alguns pontos que podem ajudar você:

1. Estude as tendências

O investimento, quando vier, tem que estar acompanhado de um profundo estudo no que está sendo e pode ser usado no setor ao qual a empresa está inserida. Se hoje o cliente quer algo, pode ser que amanhã ele deseje uma coisa diferente. Daí a importância de se verificar quais são as tendências, como elas surgem e o quanto elas podem durar. Talvez a grande “sacada” aqui seja identificar a tendências assim que elas estiverem surgindo. Por isso, é muito importante estudar.

2. Busque sempre inovação

Uma vez que você esteja por dentro dos ciclos que fazem parte da formação das tendências e como o consumidor se comporta, e claro, já tenha um tempo de estrada, é importante também fazer as suas apostas. Experimente algo novo, nem que seja uma mudança pequena que agregue valor ao produto. Vá identificando aos poucos quais inovações funcionam ou não no seu negócio.

3. Estabeleça um canal de feedback

Você pode ter noção se determinadas atitudes estão funcionando para o produto ou serviço antes que ele apresente um rombo no caixa. Por isso, estabeleça um canal de feedback, um meio pelo qual o consumidor poderá formalmente dar algum retorno à empresa. Além disso, não deixe de definir uma forma de mensurar e avaliar essas críticas.    

4. Entenda as razões do cliente

Para atender um cliente da melhor maneira possível e criar um valor agregado é preciso, antes de tudo, saber quais são os motivos que fazem esse usuário ir atrás do seu produto ou serviço. Entender as razões de um cliente requer ir mais afundo em um estudo comportamental.

Tendo um exemplo forte e simbólico: por que uma pessoa busca um vestido de noiva? Porque deseja casar, certamente. Mas o que pode significar o cliente querer se vestir da melhor forma para um dia como esse? Qual o sentido de um dia como o casamento e como uma simples peça de roupa ajuda a compor os significados desse dia?

5. Fidelize o usuário

Ainda no exemplo do casamento, uma cliente poderia sair satisfeita com um vestido. Mas poderia também descobrir que existe uma loja que oferece convênios com salões de beleza, joalherias, lojas de sapatos…

Uma cliente que conseguiu emendar a busca por essas necessidades de maneira natural e ser apresentada a outros benefícios que ela nem sabia serem possíveis, é com certeza uma pessoa mais satisfeita. Alguém que usufruiu de um grande valor agregado. E mais, tendo contato com tudo isso ela voltará à loja que a apresentou todos esses benefícios.

6. Invista em parcerias

Quando falamos em fidelização, acabamos dando um exemplo de parcerias que ajudariam nessa fidelização, não é mesmo? É porque elas de fato contribuem para o valor agregado. E com certeza a empresa que você pode procurar também estará interessada no seu produto ou serviço como valor agregado para o cliente dele.

7. Realize pesquisas de público-alvo

Pesquisar seu público-alvo pode ser até um passo anterior a entender as reais motivações do seu cliente, já que aqui estaríamos desenvolvendo um levantamento mais superficial, que poderia ajudar a definir, por exemplo, a localização e o meio do seu produto ou serviço.  

É possível fazer essa pesquisa por meio de estratégias de marketing digital, formulários, interações em redes sociais, entre outras coisas. É importante investir em ferramentas que permitam a difusão de informações de maneira rápida. A internet é uma aliada essencial nesse sentido, assim como a rede ajudou você a encontrar este post.

Agora ficou mais fácil entender produto com valor agregado, não é? Agora que você entende de produto com valor agregado, já pensou, por exemplo, em abrir uma franquia em 2019? Confira aqui no nosso artigo.

Publicada em 31/07/2019 - Fonte: Serasa Experian
Gostou desse conteúdo?
Compartilhe: