5 segmentos que encontraram novas oportunidades de negócio no cenário atual

Negócios
novas oportunidades de negócio

Por melhor e mais detalhado que seja o planejamento estratégico de uma empresa, dificilmente algum negócio passou ileso diante de um momento tão adverso como o atual. Por outro lado, também é verdade que alguns segmentos do mercado se saíram muito bem, ao ponto de se tornarem referência para novas oportunidades de negócio.

Ao analisar os motivos que levaram certas organizações ao sucesso, fica evidente a implantação e valorização de uma cultura de inovação. Elas demonstraram que, mais do que nunca, é preciso rever processos e adotar soluções tecnológicas relacionadas aos novos tempos.

Para conferir como alguns setores deram a volta por cima, basta continuar a leitura!

1. Ramo imobiliário

À medida que o cenário foi se tornando cada vez mais desafiador, os gestores de empresas do mercado imobiliário começaram a se mexer. Diante da impossibilidade de futuros inquilinos ou compradores visitarem os imóveis presencialmente, foi preciso direcionar os esforços para o meio virtual.

Não que seja exatamente uma novidade, a saída encontrada pelas imobiliárias se baseou nos tours virtuais. Na prática, o que antes era um grande diferencial de algumas empresas do setor se transformou na única forma viável de manter contato com seu público-alvo.

Mesmo que a dependência exclusiva de uma solução online seja passageira, os gestores que movimentam a venda ou locação de imóveis agiram rápido. Assim como em outros nichos, a ideia geral do plano emergencial dos negócios imobiliários consiste no aprimoramento dos serviços virtuais oferecidos.

Mais especificamente, as imobiliárias investiram na variedade e, principalmente, qualidade das imagens dos imóveis. Isso vale tanto para as fotografias quanto para os vídeos disponibilizados em sites ou aplicativos. Desse modo, elas tentam suprir a falta da experiência de uma visita local da melhor maneira possível.

Todo esse cuidado de se colocar no lugar do cliente tem feito a diferença. Para tanto, as empresas também ampliaram e diversificaram a rede de atendimento, que passou a ser feito via WhatsApp, chat, telefone e e-mail.

Tudo somado, é claro, às mensagens privadas recebidas pelas redes sociais. Na hora de fechar negócio, é a vez da adoção das assinaturas online, respaldados por tecnologias que conceder valor legal e jurídico às transações.

2. Saúde

Outro setor que vem lidando muito bem com os obstáculos do momento é o da saúde. De maneira semelhante ao setor imobiliário, clínicas e hospitais intensificaram a utilização de uma tendência da área médica: o uso da telemedicina.

Vale lembrar que, após algumas polêmicas, a utilização do recurso era limitada a certas circunstâncias. Dois ótimos exemplos são os casos que envolvem suporte remoto à definição de diagnóstico e prescrição terapêutica. Ainda assim, também era exigida a presença — literalmente — de um médico ao lado do paciente. Antes de tomar uma decisão, o profissional consultava um especialista, que o auxiliava à distância.

Diante do quadro atual de isolamento social, a aplicação da telemedicina se expandiu de maneira temporária. Isso significa que, ao menos por enquanto, a solução pode ser usada para consulta, monitoramento e orientação de pacientes de forma totalmente remota.

Um dos entraves à liberação da telemedicina é o despreparo de parte da ala médica para lidar com as funcionalidades tecnológicas mais recentes. Em outras palavras, saem à frente as instituições da área que se preocuparam em explicar e treinar os membros de suas equipes médicas. Afinal, é consenso que, como qualquer novidade, a telemedicina exige algum tempo de adaptação por parte dos profissionais.

Em um futuro não muito distante, a telemedicina pode contribuir para uma maior aproximação entre médico e paciente. Logo, as organizações que atuam no meio devem ficar atentas às atualizações legais, a serem emitidas ao longo do período de retomada da economia.

3. Arquitetura

Imediatamente à prorrogação do intervalo de interrupção de suas atividades por conta do contexto de agora, as empresas de arquitetura também chegaram a algumas conclusões. A primeira delas (ponto em comum com praticamente qualquer ramo econômico) foi a necessidade de promover o negócio por meio do home office.

Não foi o caso, entretanto, de simplesmente enviar os funcionários para casa. As empresas do setor sentiram a necessidade de criar um plano de ação, composto de uma fase de prestação de consultorias virtuais. A maior preocupação reside em ir até os possíveis novos clientes e provar que é possível criar excelentes projetos arquitetônicos remotamente.

Para que tudo saia como o planejado e surjam novas oportunidades de negócio, os arquitetos passaram a trabalhar com o maior volume de detalhes fornecidos por cliente. Através da web, eles recebem fotografias, medidas técnicas da planta do local, vídeos dos ambientes, etc. Vale tudo para formatar o projeto (em 3D) do jeito esperado pelo cliente.

4. Educação

Nada substitui a experiência de uma aula presencial. Porém, a realidade, mesmo que temporária, também impôs um profundo processo de adaptação às instituições de ensino. Em todos os níveis escolares, foi preciso pensar em maneiras efetivas de manter as etapas de aprendizagem em dia.

Então, a chamada EAD (Educação a Distância) ganhou força. Contudo, para que renda os resultados desejados, é necessário que as organizações tenham uma infraestrutura e planejamento apropriados. A vantagem ficou com as empresas que notaram que não bastava, por exemplo, assinar plataformas de teleconferência ou adquirir computadores com uma configuração mais robusta.

Além de todos esses pré-requisitos, é fundamental que o corpo docente esteja ambientado com as ferramentas colocadas a sua disposição. Isso quer dizer que ele precisa de treinamento, essencialmente para se acostumar com uma aula ao vivo à distância. Com profissionais bem preparados para a nova dinâmica, evidente que tudo fica mais fluido.

5. Fitness

Também não há dúvida de que as academias de ginástica e musculação estão no grupo das empresas mais afetadas no decorrer desta conjuntura inesperada. Para evitar a falência, a solução, também veio da implantação de uma infraestrutura dedicada à oferta de aulas gravadas e ao vivo.

Além disso, os professores foram instruídos a permanecerem próximos aos estudantes, prestando suporte e acompanhamento da evolução de seus quadros individuais. A conduta é decisiva para que os clientes tenham a percepção de que existe uma equipe disponível para sanar dúvidas ou qualquer questionamento, como ocorreria presencialmente.

Estes são os principais motivos que explicam o sucesso das empresas dos 5 setores selecionados no transcorrer da fase de instabilidade econômica generalizada. Dados os resultados positivos das medidas usadas, elas devem nortear a nova realidade daqui para frente.

Também é primordial ressaltar que muitas lições estão sendo tiradas a partir do aperfeiçoamento da coleta e revalorização dos dados gerados pelo negócio. Assim, o trabalho de se replanejar em cenários complexos ganham uma base mais sólida, que acentua o ritmo particular de recuperação econômica de cada empresa.

O momento desfavorável abriu os olhos de muitos gestores para a importância de extrair informações cruciais a partir do cruzamento adequado de diferentes dados. Além de manter a empresa competitiva no mercado, isso facilita a visualização de novas oportunidades de negócio.

Pronto para conferir como o uso de dados confiáveis facilita a gestão e levanta sua empresa? Conheça as soluções da Serasa Experian para a sua empresa!

Publicada em 11/09/2020 - Fonte: Serasa Experian
Gostou desse conteúdo?
Compartilhe: