Estoque e logística: estratégias para o período de isolamento

Gestão
estoque e logística

Distanciamento, estoque e logística. Afinal de contas, como esses fatores se correlacionam durante o cenário atual? Para muitos empresários brasileiros, que buscam formas práticas para contornar seus desafios, essa é a dúvida do momento!

Por isso, elaboramos este conteúdo para demonstrar como é possível organizar uma boa estratégia para a sua operação, superando dificuldades, satisfazendo o consumidor e aproveitando todos os recursos disponíveis. Portanto, acompanhe!

As mudanças provocadas pela reclusão

Geralmente, os cenários desafiadores apresentam duas questões: a imprevisibilidade e a necessidade de adaptação. Por esse motivo, é normal ser tomado pela incerteza, ainda mais em um primeiro momento, por receio dos impactos no longo prazo.

Contudo, é nesse instante que surge a oportunidade de renovar a sua operação. Antes disso, entretanto, é importante aceitar a nova realidade, pois assim fica mais fácil de identificar os desafios e criar soluções práticas para cada um deles. Quer um exemplo disso? Tome os canais digitais como uma referência.

Esse é um momento decisivo para o uso da tecnologia e de tudo que ela oferece, como a adoção da estratégia omnichannel, a popularização do atendimento remoto e, por último e mais importante, o crescimento explosivo das vendas online.

Isso porque, com a necessidade do distanciamento, os consumidores enxergam o meio virtual como a sua principal plataforma de consumo. Inclusive, esse movimento pôde ser visto nas estatísticas de março, em que:

  • o instituto de inteligência de mercado Compre e Confie observou uma alta de 40% nas vendas totais dos primeiros 15 dias de março, comparando com o mesmo intervalo de 2019;
  • já a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico, a ABComm, estimou um crescimento médio de 30% nas transações das lojas virtuais.

Em um estudo ainda mais específico, a ABComm analisou cerca de 20 milhões de pedidos realizados entre 1 de março e 8 de abril. Então, o relatório considerou três quinzenas, comparando a variação no número de pedidos/dia nos seguintes períodos:

  • primeira quinzena — antes do isolamento, entre 1 e 14 de março;
  • segunda quinzena — início do isolamento, entre 5 e 28 de março;
  • terceira quinzena — manutenção do isolamento, entre 29 de março e 8 de abril.

Agora, dê uma olhada nos resultados!

Principais aumentos entre a segunda e a primeira quinzena

  • 434,70% — Brinquedos e jogos;
  • 270,16% — Supermercado;
  • 211,95% — Artigos esportivos;
  • 41,56% — Farmácia.

Principais aumentos entre a terceira e a segunda quinzena

  • 96,66% — Eletrodomésticos;
  • 88,02% — Cosméticos;
  • 62,73% — Moda;
  • 42,86% — Óticas;
  • 31,05% — Bebidas;
  • 28,27% — Bazar e importados da China;
  • 21,50% — Eletrônicos;
  • 17,40% — Livraria;
  • 17,22% — Bebidas;
  • 14,49% — Autopeças;
  • 7,49% — Móveis e Decoração;
  • 6,93% — Calçados.

Por isso, a conclusão é uma só: esse é um momento para ser criativo e otimista! Ainda que a produtividade seja impactada pelo cenário atual, é muito importante estar antenado nas oportunidades que surgem, como demonstrado pelo aumento das vendas online.

Para além do campo comercial, o momento estimula o uso de tecnologias que simplifiquem tarefas, como a autenticação e assinatura digital de documentos, que é uma etapa comum a muitas empresas, seja na relação com fornecedores ou clientes. Além disso, existem as mudanças operacionais.

O primeiro obstáculo é a falta de pessoal, uma vulnerabilidade que pode acontecer por vários motivos, como o desligamento dos colaboradores ou a necessidade de isolamento. Para além da falta de mão-de-obra, é possível que você lide com uma outra dificuldade: a falta de EPIs (Equipamentos de Proteção Individual).

Afinal de contas, a proteção dos colaboradores é determinante para que a sua operação siga trabalhando. Com um número insuficiente de equipamentos de proteção individual, você incorre no primeiro problema novamente, precisando dispensar aqueles que não receberão o aparato necessário para uma jornada segura.

Por fim, vale destacar todas as variáveis na gestão de estoque, pois independentemente do tipo de insumo ou produto que você esteja procurando, existirá uma dificuldade natural na logística da chegada desse material até a sua empresa.

A criação de uma nova estratégia de estoque e logística para esse momento

Estamos em um cenário desafiador, que exige muita criatividade e planejamento de quem pretende sustentar o crescimento da empresa. Por isso, a recomendação é optar pelo pragmatismo, analisando todas as oportunidades e como você pode conduzir o seu negócio pelo melhor caminho.

Para fazer isso com pontualidade, será preciso inovar, criando um novo método de organização de estoque, recebimento, carregamento, despacho e acompanhamento das mercadorias. Para tudo isso, existem três soluções que se destacam: a tecnologia, a padronização e o treinamento. Veja!

Tecnologia

O objetivo aqui é contratar plataformas que informatizem a gestão do estoque e o acompanhamento logístico, tornando os processos mais inteligentes, integrados e rápidos. O primeiro exemplo disso é investir na rastreabilidade do estoque, cadastrando seus itens com informações como validade e localização dentro do inventário.

Padronização

Muitas vezes, a chave para a agilidade é a otimização de rotinas, com o recorte de etapas desnecessárias e o incentivo à previsibilidade operacional. Para isso, a nossa recomendação é repensar o layout do armazém, tornando-o mais inteligente e prático para o alto fluxo de cargas, além da reorganização das áreas de recepção, armazenagem e expedição, encurtando distâncias e economizando tempo.

Treinamento

O treinamento engloba duas esferas: a de proteção individual e coletiva e a esfera operacional. No primeiro caso, realiza-se reuniões de conscientização com o time, frisando a importância compulsória do uso dos EPIs bem como a obediência aos novos procedimentos.

Já o treinamento operacional foca no desenvolvimento de alguma habilidade importante. Essa pode ser uma estratégia interessante capacitar alguns dos seus colaboradores para o manuseio de máquinas ou o exercício de outras tarefas estratégicas para o momento.

Os fatores mais importantes na organização do estoque

A esse ponto, a gestão deve conciliar algumas boas práticas para garantir que o estoque esteja apto a atender o aumento das demandas online. Confira, a seguir:

Planejamento

O objetivo aqui é escolher o melhor sistema de armazenagem para cada cenário. Para isso, é importante elaborar um escopo do projeto, identificando os recursos necessários para o funcionamento da operação, como o número e tipo de máquinas, com atenção às condições de estocagem para cada um desses itens e assim por diante.

Acompanhamento

Tratando-se de estoques, existem dois extremos que precisam ser evitados: o excesso e a escassez. Logicamente, a situação atual permite compras em maior volume, pois a expectativa de saída é muito maior do que os tempos normais.

Ainda assim, é importante contar com a tecnologia para acompanhar as quantidades e condições do seu estoque, evitando acúmulos, aquisições desnecessárias e, até mesmo, a perda de mercadorias – algo muito comum na armazenagem de alimentos perecíveis.

Negociação

Mais do que nunca, esse é um momento para negociar. Aqui, o nosso incentivo é para a discussão de melhores prazos, condições de pagamento e descontos, pois isso está diretamente ligado à sua margem de faturamento. Quanto mais você enxugar o preço das aquisições, bem como estender o prazo dos pagamentos, maior o seu espaço estratégico de tempo e recursos para continuar operando de maneira sustentável.

Delivery

Engana-se quem pensa que essa modalidade serve apenas para a entrega de comidas. A realidade é que todos os setores podem e estão sendo beneficiados por essa função, das farmácias às lojas de videogames, das livrarias às autopeças.

Para isso, é possível se aliar a startups específicas de entregas ou a motoristas autônomos da sua área. Como sempre, o objetivo é realizar o delivery de uma maneira que garanta a proteção de todos na cadeia de eventos, protegendo quem embarca a mercadoria, quem entrega e quem recebe.

Análise

No entanto, pode ser que a sua empresa não opere em apenas um segmento, mas venda uma ampla gama de produtos e soluções, como uma loja varejista. Nesse caso, é importante dedicar um tempo ao estudo das vendas, observando pesquisas como a da ABComm para concentrar sua aquisição nos itens de maior saída.

No fim das contas, o papel da gestão é encontrar formas práticas de reduzir os custos operacionais e perdas, seja em matéria de tempo, mercadoria ou clientela. Até porque vale sempre lembrar do direito de devolução, assegurado ao consumidor em inúmeras situações.

Gostou deste post elaborando estratégias de estoque e logística para a sua empresa? Então, aproveita para continuar navegando no tema, aprendendo a como identificar o momento certo para expandir em novos mercados!

Publicada em 04/05/2020 - Fonte: Serasa Experian
Gostou desse conteúdo?
Compartilhe: