Saiba o que é preciso para abrir uma microempresa e tire sua ideia do papel!

Gestão
microempreendedor indivial - pequenos comercios e serviços são uma ótima opção para MEIs

Milhares e milhares de brasileiros almejam ser donos do próprio negócio. No entanto, a maioria não sabe nem por onde começar ou tem ideia do que é preciso para abrir uma empresa. A boa notícia é que este post vai responder a muitas perguntas justamente sobre esse assunto!

O sonho do empreendedorismo envolve autonomia e flexibilidade, aumento de renda e até a criação de um propósito de vida. Mas será que você tem o perfil para isso? Será que sua ideia é realmente boa? De quanto dinheiro e tempo você precisa para começar um negócio? Essas são apenas algumas das perguntas que as pessoas se fazem antes de mergulhar de cabeça no universo do empreendedorismo.

Ao se depararem com a listas de documentos necessários, nomes estranhos de órgãos e siglas complexas, muitos se sentem confusos e desanimados. De fato, muitos serão os desafios enfrentados ao longo do caminho. É preciso superar um por um. Ter talento para cozinhar ou costurar, por exemplo, pode não ser suficiente para alavancar seu negócio. Será preciso se envolver em muitas outras tarefas.

Pensando em tudo isso é que resolvemos elaborar este guia prático para a abertura de empresas nos modelos MEI e ME. Acompanhando os próximos tópicos, você saberá o que é preciso para começar, desde o planejamento do negócio aos passos necessários para a formalização. Além disso, reunimos ideias capazes de inspirar seu espírito empreendedor, bem como informações úteis sobre crédito, impostos e custos burocráticos. Para completar, um bônus final traz uma checklist para abrir uma empresa.

Se você já tem um plano para tirar do papel ou está apenas começando a pensar em empreender, não deixe de ler este post completo sobre o assunto. Confira!

O que é preciso para abrir uma empresa?

Microempreendedores e microempreendedores individuais estão prontos para inciar o negócio
Como abrir uma ME e MEI

Ao contrário do que muitos pensam, a formalização não é o passo mais difícil no caminho de um empreendedor. Enfrentar as etapas da burocracia brasileira pode ser trabalhoso sim, mas, com as opções de enquadramento existentes, hoje em dia está mais fácil do que há alguns anos. Entretanto, antes de sequer pensar na regularização da sua empresa, você precisará cumprir alguns passos.

Para que uma grande ideia não acabe desperdiçada, é importante estudar e analisar muitas questões, entender o mercado, conhecer os clientes, estabelecer um plano de negócios, definir metas, prever custos e escolher formato e regime de tributação. Sim, são muitas variáveis. Mas não se preocupe, porque você vai aprender a tratar de todas elas.

Perfil

Perfil dos empreendedores - conheça todos eles
Perfis Empreendedores

Após a criação do seu CNPJ, é importante se questionar sobre seu perfil empreendedor. Ao decidir se tornar dono do próprio negócio, é bom ter em mente que, além de executar a atividade principal, seja ela prestar um serviço ou fabricar e vender um produto, será preciso executar muitas outras tarefas.

Desde a administração e o controle financeiro ao relacionamento com fornecedores, captação de clientes, divulgação, além da tomada de decisões, tudo é atribuição do empreendedor. Por isso, além de se identificar com essa função de liderança, é fundamental se preparar para ela. Que tal apostar em cursos de capacitação voltados para as áreas de Administração, Finanças e Marketing, por exemplo?

Planejamento

Outro aspecto essencial para abrir uma empresa diz respeito ao planejamento. Ninguém inicia uma viagem sem saber aonde quer chegar — ou pelo menos não deveria, certo? É crucial definir objetivos e metas, conhecer seu público-alvo e saber o que fazer para alcançá-lo. Mais que isso, é vital concretizar as ideias e informações em um plano de negócios.

Na prática, um bom plano é aquele que responde a perguntas como:

  • o que é o negócio;
  • quais são os produtos e/ou serviços oferecidos;
  • quem são os clientes;
  • onde funcionará;
  • qual a previsão de faturamento mensal;
  • qual a estimativa de lucro;
  • em quanto tempo virá o retorno.

Entenda: essas são as premissas básicas de um plano de negócios. Na prática, quanto mais detalhado e documentado for o planejamento, melhor será o preparo para enfrentar os desafios e imprevistos que fatalmente surgirão.

Existem melhores ideias para abrir uma empresa?

boas idéias para abrir uma empresa ME e MEI
Boas ideias para abrir uma MEI ou ME?

Uma das maiores preocupações de quem quer empreender é encontrar uma ideia fantástica e inovadora. Nesse sentido, o primeiro passo é avaliar as necessidades da região, suas próprias aptidões para trabalhar e a viabilidade da ideia.

É claro que, dependendo do cenário, algumas iniciativas se mostram mais propensas ao sucesso ou ao fracasso. Contudo, de maneira geral, podemos dizer que a gama de opções é extensa. É possível partir da sua área de formação e iniciar como prestador de serviços, por exemplo, investir em habilidades pessoais ou ainda encarar o desafio de novas tendências. A verdade é que não faltam ideias para abrir uma empresa.

Negócios para abrir em casa

O governo autoriza que MEIs desenvolvam suas atividades em sua própria residência, reduzindo custos e facilitando o início do negócio. Você pode investir, por exemplo, em:

  • webdesign e programação;
  • redação e produção de conteúdo;
  • decoração de bolos;
  • fabricação de comida congelada;
  • secretariado remoto;
  • ensino online.
Ótimos negócios para fazer em casa.
Existem muitas opções para fazer negócios em casa

As possibilidades são praticamente infinitas. Consegue já pensar em alguma que se encaixe nas suas demandas e satisfaça suas expectativas?

Empresas que exigem pouco investimento inicial

Um dos grandes impedimentos para o sonho do empreendedorismo costuma ser o investimento inicial. No entanto, a cada ano surgem mais ideias de negócios que podem ser iniciados com um capital bem baixo, de até 5 mil reais, por exemplo. É o caso da:

  • confecção de artigos de papel reciclável;
  • revenda de cosméticos e bijuterias;
  • montagem de cestas comemorativas;
  • preparação de comida em domicílio;
  • abertura de uma microfranquia.

Entretanto, vale lembrar que, apesar do baixo investimento, assim como qualquer empresa, será necessário ter capital de giro para sustentar o negócio até que ele comece a gerar lucro — o que pode demorar um tempinho.

Novas tendências de negócios

Outra opção interessante é ficar atento às tendências de mercado e aos nichos capazes de agregar renda, mas que sejam promissores também no longo prazo. Nesse sentido, podemos citar como boas opções para 2018:

  • estabelecimentos voltados para uma alimentação alternativa;
  • serviços para idosos;
  • microcervejarias;
  • brechós;
  • espaços de coworking;
  • desenvolvimento de aplicativos.
Oceno Azul - negócios sem concorrência, inovadores.
Ideias inovadoras e sem concorrência geralmente são chamadas de oceano azul, sempre tente achar o diferencial do seu negócio

Passada a fase da ideia, depois de decidir qual empresa abrir, é preciso pensar na formalização do negócio.

Que documentos são necessários para a formalização?

Para saber exatamente quais são os procedimentos para abrir uma empresa, primeiramente é preciso definir em que tipo ela se enquadra. No Brasil, as empresas são classificadas com base no formato jurídico, no regime tributário e no porte. A partir da conjunção desses 3 fatores, o negócio é enquadrado.

Neste post, estamos abordando 2 tipos: o Microempreendedor Individual (MEI) e a Microempresa (ME). Para cada forma de constituição escolhida e/ou ramo de atividade são necessárias autorizações distintas. Além disso, as legislações locais também diferem e, de acordo com o estado e o município, podem ser exigidas inscrições específicas.

De toda forma, não possuir um CNPJ é sempre um entrave ao início do negócio. Por isso, vamos começar falando justamente sobre a criação do Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas.

Criação de um CNPJ

Para quem atua sozinho ou para quem tem apenas um funcionário e pretende faturar até 81 mil reais por ano, o MEI é uma excelente opção. Nesse caso, bastam apenas alguns cliques para conseguir o CNPJ e o alvará provisório. Veja só:

  • acesse o Portal do Empreendedor;
  • clique em Nova inscrição, preenchendo seu CPF e sua data de nascimento;
  • inclua o número do recibo do Imposto de Renda de uma declaração entregue nos últimos 2 anos ou, caso não tenha, informe seu título de eleitor;
  • em Identificação, informe nome empresarial, nome do empresário, nacionalidade, sexo e nome da mãe, bem como número do documento de identidade, estado emissor e telefone para contato;
  • em Atividades, coloque sua ocupação principal e o código CNAE;
  • preencha o endereço comercial e o residencial — que podem ser iguais;
  • antes de finalizar, o MEI deve selecionar as caixas com declarações de desimpedimento, capacidade, opção pelo Simples Nacional e enquadramento como microempresa;
  • com a confirmação da inscrição, é gerado o Certificado da Condição de Microempreendedor Individual, com validade de 180 dias;
  • a conclusão do processo deve ser feita junto à prefeitura local, para verificação de exigências específicas.

Já para ter uma Microempresa (ME), o primeiro passo é abrir um negócio como Empreendedor Individual, Sociedade Limitada ou Empresa Individual de Responsabilidade Limitada (Eireli). Depois, é só se enquadrar como ME! Para as MEs, o limite de receita bruta é de 900 mil reais por ano e as exigências para a formalização são semelhantes às de outros empreendimentos, sendo realizada na junta comercial. Confira:

  • consulta e viabilização: inclui pesquisa sobre existência anterior de empresa com o mesmo nome, etapa obrigatória que deve ser realizada no site da junta comercial, além de verificação na prefeitura local dos critérios de concessão do alvará de funcionamento para o local escolhido;
  • registro na junta comercial: os documentos podem variar de acordo com o estado, mas, basicamente, são:
    • contrato social, requerimento de empresário individual ou estatuto, em 3 vias, sendo que, no caso das MEs, não é necessário o visto de um advogado no contrato social;
    • cópia autenticada do RG e do CPF do titular ou dos sócios;
    • requerimento padrão (capa da junta comercial) em 1 via;
    • Ficha de Cadastro Nacional (FCN) modelos 1 e 2, em 1 via;
    • pagamento de taxas por meio de DARF;
  • após o registro, será entregue o Número de Identificação do Registro da Empresa (NIRE), atestando que a empresa existe oficialmente, embora ainda não possa começar a operar;
  • criação do CNPJ: com o NIRE em mãos, é hora de registrar a empresa como contribuinte no site da Receita Federal. No momento do registro no CNPJ, será preciso informar a atividade que será exercida pela empresa, indicando o código CNAE.

Outros documentos

Tanto para a MEs quanto para o MEIs, depois da criação do CNPJ ainda será preciso obter uma série de documentos e licenças, de acordo com as leis locais para as atividades desenvolvidas.

Quanto custa abrir uma empresa?

Quanto custa abrir uma MEI e ME
Quanto custa para abrir uma ME ou MEI?

A resposta para essa pergunta pode variar bastante, já que as taxas e exigências mudam de acordo com o município, o tipo de empresa, o ramo de atividade, a contratação ou não de contador, a existência de políticas de incentivo e tantas outras variáveis.

Segundo um levantamento feito em 2012 pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), o gasto médio com taxas para se abrir uma empresa é de 2.038 reais. Para você ter uma ideia, há 4 taxas iniciais que, somadas, custam cerca de 400 reais: Documento de Arrecadação de Receitas Federais (DARF), Documento de Arrecadação de Receitas Estaduais (DARE), certificado digital e junta comercial.

Excepcionalmente, o MEI não se enquadra nessa situação, uma vez que não há custos iniciais para a abertura, apenas uma contribuição mensal. Nesse caso, não é necessário obter registro na junta comercial, tampouco providenciar um certificado digital.

Principais impostos

Além das taxas iniciais, outra dúvida comum ao empreender diz respeito aos impostos com que o empreendedor terá que arcar. Afinal, em um país conhecido por sua alta carga tributária, é mais que natural que surja um temor sobre a formalização: vale a pena ou não?

No caso do MEI enquadrado no Simples Nacional, categoria que o isenta dos tributos federais, a contribuição é feita com um valor único, fixo e mensal, a depender da atividade. Assim:

  • atividade de comércio e indústria: 49,45 reais;
  • prestação de serviços: 53,45 reais.

Já para as MEs, dependerá do regime tributário escolhido. De maneira geral, a opção pelo Simples Nacional costuma ser mais vantajosa, pois, além de concentrar os pagamentos de 8 impostos em único boleto, reduz a carga tributária. São eles:

Como abrir uma empresa com pouco dinheiro?

A essa altura, já falamos sobre planejamento, ideias, formalização e impostos. Mas, afinal, como viabilizar financeiramente o sonho do empreendedorismo?

Como abrir uma empresa com pouco dinheiro é como um jogo de jenga
Abrir uma empresa com pouco dinheiro pode ser arriscado, cada movimento precisa ser calculado

Capital inicial

O capital inicial nada mais é que o valor que precisa ser investido para tirar o negócio do papel e manter seu funcionamento até que finalmente gere lucro. Para calculá-lo, considere todos os recursos necessários para iniciar as atividades, tais como compra de equipamentos, mercadorias, decoração da loja, cursos de capacitação, além de custos operacionais e administrativos dos meses iniciais, como impostos, aluguel, contas de luz, telefone, salários e assim por diante.

O MEI deve fazer o cálculo seguindo a mesma lógica. Assim, um jornalista que for trabalhar de casa, por exemplo, pode considerar o valor do computador, além das contas de internet, luz e telefone. Viu como não tem mistério?

Viabilidade da ideia

Antes de tirar qualquer ideia do papel, é fundamental estudar o mercado e avaliar a real viabilidade do negócio. Isso inclui mensurar a demanda local e as possibilidades de retorno. Um bom estudo de viabilidade envolve:

  • traçar um perfil detalhado do público;
  • mapear as dores dos possíveis clientes;
  • entender o quanto a solução oferecida por você resolverá essa dor, agregando valor para os clientes;
  • analisar o mercado, conhecendo os serviços e preços praticados pela concorrência, bem como identificando as oportunidades de crescimento para o negócio.

Precificação adequada

Outra etapa extremamente importante para o sucesso financeiro de qualquer empreendimento é a precificação dos produtos e serviços. Para isso, é essencial seguir alguns passos:

Crédito para empreendedores

É preciso ter muito cuidado em relação a esse ponto. Embora seja quase impossível abrir uma empresa sem crédito, é importante pesquisar as melhores taxas e pegar apenas o necessário. Confira algumas opções disponíveis para conseguir dinheiro para abrir uma empresa!

Linhas de crédito

O serasa empreendor da acesso a crédito para microempresas e microempreendedores individuais, com boas linha de crédito
Acesso a crédito para MEI e ME

Portal Serasa Empreendedor oferece serviço de acesso a crédito com financeiras parceiras. As modalidades diferem quanto às taxas de juros, às formas de pagamento e ao objetivo do crédito. Além disso, em relação às garantias de crédito, que podem ser desde bens e promissórias a aval dos sócios, existem instituições privadas que atuam na concessão.

Investidores-anjo

Esses investidores não são considerados sócios, mas podem obter retorno financeiro de até 50% dos lucros por 5 anos, mediante o investimento de 50 a 600 mil reais em microempresas e empresas de pequeno porte. Para encontrar um desses, é preciso submeter a ideia no site Anjos do Brasil, além de ter um plano de negócios bem consolidado.

Parcerias com sócios

Outra maneira de começar com pouco capital é encontrando um sócio que tenha recursos. Nesse caso, ao contrário do investidor, o sócio tem obrigações e responsabilidades com a empresa a partir da assinatura do contrato social. Além disso, terá o direito de deliberar sobre as ações sociais do negócio, mesmo que entre apenas com recursos.

Financiamentos coletivos

Essa modalidade vem ganhando cada vez mais força nos últimos anos. É simples: por meio de uma vaquinha, é possível angariar fundos para sua ideia. Em contrapartida, são retribuídos bônus e brindes aos doadores. No Brasil, existem diversas plataformas de financiamento online. A dica é investir na apresentação e na divulgação do projeto nas redes sociais e, claro, pensar em boas recompensas. Iniciativas de cunho social e cultural, bem como aplicativos e serviços inovadores costumam ter retorno.

Investimento em mídias

Ainda que os recursos sejam escassos, é fundamental separar uma verba para investir no marketing. Acredite: são muitos os meios efetivos e baratos de se atingir o consumidor mesmo antes do lançamento do negócio. Pesquise as melhores mídias sociais, aposte em ações de marketing de conteúdo e reinvista os lucros em divulgação!

Que dúvidas todo empreendedor tem antes de começar?

Microempreendedor tirando dúvidas dentro do portal serasa empreendedor online
Tire suas dúvidas em nossa plataforma online

Sabemos que abrir uma empresa é um passo muito importante na vida de qualquer um. Por isso, é natural que surjam muitas perguntas. Além de tudo o que já foi exposto, confira agora outras dúvidas também bastante comuns!

Quanto tempo demora?

A preocupação com o tempo se justifica, já que empreender no Brasil é um processo bastante burocrático. Segundo um estudo divulgado pelo Banco Mundial em 2017, o país ocupa a 175a posição entre 190 países em relação ao nível de burocracia para a abertura de uma empresa, apresentando um tempo médio de 79,5 dias e 11 procedimentos para a formalização.

Tanta burocracia envolve muitos documentos e interação com diversos órgãos públicos das 3 esferas de governo. E mesmo com a maioria dos procedimentos podendo ser realizada online, ainda há a necessidade de deslocamentos, além de espera pelos prazos de cada instituição.

No caso do MEI, o processo é mais rápido, uma vez que algumas etapas não são necessárias. Ainda assim, dependendo do local e da atividade escolhidos, é necessário providenciar trâmites em diferentes órgãos.

Como evitar que a empresa vá à falência?

Maior medo entre novos empreendedores, a falência pode ser evitada quando alguns cuidados são tomados. Antes de tudo, é fundamental que o empreendedor entenda que seu trabalho nunca acaba. É preciso correr constantemente atrás de atualização e aprendizado.

E melhor que aprender às custas dos próprios erros é tirar lições dos erros alheios, não concorda? Conheça então algumas das principais falhas cometidas por aí para não cair nas mesmas ciladas:

  • falta de planejamento;
  • uso de crédito sem critério, submetendo o negócio a juros e condições desfavoráveis ao ponto de causar um efeito bola de neve;
  • perda do controle do capital de giro;
  • confusão entre finanças pessoais e dinheiro da empresa.

E onde está aquela checklist para abrir uma empresa?

Como vimos até aqui, o caminho para abrir uma empresa é extenso. Para facilitar sua pesquisa, elaboramos essa checklist completa, incluindo as etapas que já abordamos. Anote aí para não esquecer:

  • contrato social;
  • registro na junta comercial (NIRE);
  • criação de CNPJ;
  • inscrição estadual;
  • alvará de funcionamento e localização;
  • alvará do Corpo de Bombeiros;
  • cadastro na previdência social.

No caso do MEI, os passos são mais simples:

  • verificação das atividades permitidas;
  • formalização no Portal do Empreendedor;
  • impressão do Certificado de Microempreendedor Individual (CCMEI);
  • impressão do cartão do CNPJ;
  • verificação junto à prefeitura sobre a necessidade de alvará ou licenças específicas.

Sim, são muitas as etapas a cumprir entre a vontade de se tornar dono do próprio negócio e o efetivo início das atividades da empresa. Mesmo antes de abrir uma empresa, aliás, é preciso se preparar, planejar, definir metas, fazer estudos de mercado, identificar ideias potenciais, além de definir o capital inicial e levantar verba.

Após definidos os planos iniciais, é chegada a hora da formalização. Ao ver a quantidade de procedimentos necessários, muitos chegam a desanimar ou se sentir inseguros. No entanto, com as informações certas e um pouco que organização, começar o próprio negócio deixa de ser uma tarefa tão assustadora, ainda que um pouco demorada.

Seja como MEI ou ME, é importante ter em mente todas as etapas do processo e não se descuidar dos documentos, além de seguir as dicas e orientações de quem já passou por isso para não cometer os mesmos erros, colocando a perder todo seu esforço.

E então, depois de ler nosso texto, criou coragem para dar o primeiro passo? Aproveite para saber mais sobre as formas de formalização! Lembrando que, depois da formalização, você poderá ter acesso ao Portal Serasa Empreendedor e aproveitar diversos benefícios!

Baixe gratuitamente agora

Publicada em 29/05/2018 - Fonte: Serasa Empreendedor
Gostou desse conteúdo?
Compartilhe: