Carteira de dividendos: como montar a sua?

carteira de dividendos

Durante muito tempo, a bolsa de valores foi vista como uma espécie de “cassino”, no qual era preciso contar com o destino ou informações privilegiadas para ganhar bem. A verdade é que entrar nela e montar uma boa carteira de dividendos não tem nada a ver com sorte.

Aqueles investidores que desejam contar com uma maior rentabilidade devem enxergar a bolsa como ela realmente é: uma maneira inteligente de se associar a grandes empresas, desfrutar da sua expansão e lucrar com elas.

Se você deseja entender melhor como obter seus primeiros dividendos e a montar uma carteira rentável, este post será seu primeiro passo rumo à sua jornada investidora.

O que são dividendos?

Comecemos pelo básico: os dividendos nada mais são do que parcelas dos resultados apurados por determinadas empresas (como Itaú, Magazine Luiza e Mc Donald’s). Essas parcelas são destinadas aos sócios ou acionistas dessas organizações.

Sempre que compramos uma ação, estamos adquirindo uma parte do capital social de alguma empresa que está disponível para outras pessoas. Na prática, é como nos tornássemos sócios dela. Isso significa que quanto mais a empresa crescer e se valorizar, mais os acionistas vão lucrar com suas ações.

O que é uma carteira de dividendos?

Podemos dizer que as ações são representações de pequenas partes de uma empresa que você pode comprar. Antes que você pense que adquirir uma ação é muito caro, saiba que é possível encontrar (muitas) opções por menos de R$10,00 na bolsa. Mesmo com pouco investimento, é possível receber dividendos.

Já que é possível comprar partes “fracionadas” dessas empresas, o ideal é que o acionista opte por ações de negócios diferentes e diversifique seus investimentos para aumentar sua chance de ganhos. Ou seja: é recomendada a criação de uma carteira de dividendos diferentes.

Muitas empresas optam por pagar dividendos periodicamente. Isso significa que uma parte dos lucros é distribuída entre os acionistas, até mesmo, para aqueles que possuem uma pequena quantidade de ações. Essa é uma opção muito interessante para a montagem da sua carteira.

Quais ações pagam dividendos?

As empresas com capital aberto na Bolsa só são obrigadas a distribuir seus dividendos, por lei, se apresentarem lucro. Dessa forma, uma empresa que não apresenta fins lucrativos, registrou prejuízo ou está em um momento financeiro incompatível com a distribuição de proventos (como de quitação de dívidas) não é obrigada a fazer isso.

Por isso, ao investir, é preciso fazer uma breve pesquisa sobre o caráter da empresa, seu planejamento financeiro, a saúde atual do negócio e as perspectivas de expansão.

Como os dividendos são pagos?

Você pode receber seus dividendos em dinheiro (e reinvestir o valor recebido, por exemplo), ou em forma de mais ações. Em termos de periodicidade e recorrência de pagamentos, algumas empresas adotam uma prática de recebimentos trimestrais. Outras, buscam enriquecer sua carteira de dividendos apenas semestralmente ou anualmente.

Algumas instituições (como é o caso dos bancos) costumam pagar seus dividendos mensalmente, sendo um tipo de investimento ideal para aqueles que buscam um fluxo de rendimentos constantes.

Como montar carteira de dividendos?

Formatar uma carteira com foco no longo prazo é uma forma muito eficiente de começar a investir na bolsa, mas é preciso ter em mente que esse tipo de investimento envolve riscos. Por isso, é preciso ter muito estudo (além de maturidade psicológica) para embarcar nessa jornada.

Se você se sente capaz de cumprir esses requisitos, o segundo passo é conhecer as empresas que podem enriquecer sua carteira. Geralmente, as organizações que pagam bons dividendos com consistência e recorrência são empresas saudáveis.

Elas têm algumas características únicas de qualidade, que as colocam naturalmente como um investimento mais seguro e rentável. Entre elas, forte geração de caixa e lucratividade, baixo endividamento e uma perspectiva de crescimento para os próximos anos.

No entanto, procurar apenas por empresas grandes (como Apple, Netflix ou Ambev) não é o suficiente. Uma das estratégias mais utilizadas para a escolha de boas pagadoras de dividendos é a análise fundamentalista.

Ela busca avaliar os resultados financeiros e a gestão geral de uma empresa, identificando se está avaliada como “cara” ou “barata” pelo mercado. Essa estratégia tem como foco a construção de valor a longo prazo, e é usada pelo melhor investidor do mundo: Warren Buffett.

Contar com uma análise robusta é o principal critério para decidir receber ou não determinado dividendo. Por isso, em vez de recomendar ações específicas no mercado, muitos especialistas insistem para que os investidores avaliem por conta própria se aquela empresa está em um bom momento para compra ou venda de ações, de acordo com suas estratégias pessoais.

Por fim, também é importante se manter informado sobre o sobe e desce das ações regularmente, tirar suas dúvidas com profissionais de confiança e acompanhar as notícias do setor de economia. Esses hábitos vão aproximar você de melhores resultados no futuro.

Qual a melhor carteira de dividendos?

A melhor carteira de dividendos é aquela que atende às suas necessidades. Por isso, antes de começar a investir, é preciso ter metas: o que você deseja fazer com o dinheiro que conquistar? Em quanto tempo? Isso vai ajudar a decidir o momento certo de comprar e vender.

Apesar de tantas especificações, uma boa carteira de dividendos apresenta três características: é diversificada, paga bem e de forma recorrente. Um método eficaz para conseguir algo assim seria criar uma coletânea de empresas que apresentam um bom dividend yield em meses diferentes. Você sabe o que é isso?

O dividend yield é uma porcentagem que representa o rendimento geral daquele dividendo pago. Para saber qual é, basta dividir o valor anual do dividendo que a empresa paga pelo valor da cotação atual.

Para ser considerada uma boa opção, é recomendado que a empresa pague pelo menos 5% de dividend yeld para seus acionistas (lembrando que esse valor pode variar ao longo do tempo).

A dica, então, é formular metas, analisar empresas com um bom dividend yeld e diversificar seu investimento sobre elas. Aliando essas recomendações, fica mais fácil criar uma boa carteira de dividendos e conseguir um fluxo regular de renda.

Gostou deste post? Assine a nossa newsletter para continuar recebendo conteúdos incríveis como este, diretamente na caixa de entrada do seu e-mail.

Publicada em 25/10/2021 - Fonte: Ana Abritta
Gostou desse conteúdo?
Compartilhe: